quinta-feira, 13 de julho de 2017

Diminutivos

Fiquei a saber ainda há pouco que se podem registar os bebés dando-lhes nomes nos seus graus diminutivos. Do estilo “Rosarinho”, “Carminho” e assim. Tive uma colega que se chama Teresinha, nome que “ganhou” fora de Portugal. Mas pensei que os nossos Cartórios não aceitassem diminutivos.

[Sempre lamentei muito as pessoas que têm de carregar o resto da vida com um nome daqueles que são de fugir, apenas porque os paizinhos se apaixonaram por determinada personagem de filme, de livro, de novela, de artista da atualidade. E, pior ainda, porque era o nome do padrinho ou da madrinha. Mas isso é outro assunto, além de que os gostos são muito discutíveis.]

Mas a propósito das Rosarinhos, das Carminhos e das Teresinhas, lembrei-me de uma anedota muito antiga que o meu pai contava. Era assim:

«Era o primeiro dia de escola de uma turma da 1ª classe e a professora começou a perguntar o nome aos seus novos alunos. E começou pelos da primeira fila:

- Então como te chamas?

- Eu sou o Zezinho…

- Zezinho, não. O teu nome é José. E esta menina aqui, como te chamas?

- Eu chamo-me Mariazinha…

E a professora, cheia de paciência, lá a emendou: - Mariazinha, não. És a Maria.

- E tu, a seguir, como te chamas?

- A minha mamã chama-me Manelinho.

E lá voltou a professora a emendar:

- Aqui és o Manuel. Aqui na escola não há –inhos…

E todos os meninos iam desfiando os seus «petit noms» enquanto iam ficando a saber que a professora não os ia tratar pelos seus diminutivos.

Quando chegou a vez do último aluno dizer o seu nome, o pobre miúdo disse muito embaraçado:

- Eu chamo-me Agosto, senhora professora…

- Agosto?! – responde-lhe a senhora. – Mas ninguém se chama Agosto, meu querido!


- Eu chamo-me Agostinho… mas a senhora professora diz que aqui não há –inhos…»




25 comentários:

  1. Eu por acaso também detesto diminuitivos ! A anedota é conhecida, mas sabe bem recordá-la !

    ResponderEliminar
  2. :)) li o que escreveu o Ricardo em cima e eu não a conhecia, estava à espera que viesse algo tipo Joãozinho bem pesado :)
    (e eu gosto de diminutivos assim por exemplo como Gábi :)

    um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho engraçado, mas não como nome próprio.

      Beijinhos, Gábi!

      Eliminar
  3. Eu já conhecia esta mas gostei de a recordar.
    Não sou opositora de diminutivos, mas ficar a chamar-se oficialmente Mariazinha, ou Joãozinho não acho lá muita piada.
    Se bem quando vou à minha terra ainda todos me chamem de "Francisquinha" :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro! Mas isso é diferente. Como nome próprio não me parece bem. A mim ainga há quem me chame Gracinha... eh eh eh eh...

      Eliminar
  4. Esta fez-me lembrar uma história que já contei no CR passada com uma cozinheira lá de casa que utilizava muito os "inhos"( os pastelinhos, o arrozinho, a massinha, etc). Um dia a minha Mãe cansou-se e disse-lhe para deixar de usar os "inhos". Ela embatucou e no dia seguinte virou-se para a minha Mãe e disse:
    - Minha senhora é preciso ir à mercearia, porque não há touço para o almoço...
    Sim, também me lembro do tempo em que havia uma lista de nomes que podiam ser utilizados e quem quisesse baptizar um filho com um nome que não estivesse na lista, tinha de requerer uma licença especial e, em caso de deferimento, pagava emolumentos.

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. Os algarvios gostam muito de usar diminutivos com o sufixo inho/inha e tb com ito/ita. Canito, narizito, portuguesito... : ))

      Canito nunca ouvi noutro lugar. : )

      Eliminar
    2. Bom, essa do touço está de mais!!!!

      Eh eh eh eh eh!...

      Eliminar
  6. Boa noite querida!
    A minha visita hoje é para lhe parabenizar pela linda postagem e desejar-lhe uma noite de paz e um amanhecer feliz.
    Abraços, Profª Lourdes Duarte.
    https://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Lourdes! Bem haja.

      Tudo bom para si também.

      Eliminar
  7. Pronto, já passou...
    O primeiro dia de aulas é cheio de imprevistos.

    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai, Agostinho, Agostinho... isto não se passou consigo.... eh eh eh eh...

      Eliminar
  8. A anedota eu já conhecia. Mas vale sempre o sorriso. Diminutivos na minha casa ninguém usava. Nem nunca conheci ninguém na Seca que os tivesse. Aliás os nossos pais raramente nos chamavam pelo nome. Os nossos pais na Seca, quase sempre nos tratavam por rapariga, ou rapaz. "Ó rapariga vai lavar a loiça" "Ó rapaz, chega-me aí esse martelo" Não fossem as pessoas de fora e até esquecíamos que tínhamos nome. Porém o meu irmão foi sempre muito pelêgo, até quase aos onze anos. Não sabia dizer os nossos nomes, e quando queria chamar-nos gritava Mana Bia, mana Manu. Bia era Elvira, Manu era Maria de Lourdes. E se alguém lhes perguntava como nos chamava-mos
    aí ele era o Meno (Arménio) eu era a Nebida, e a minha irmã, a Nudes. E lá em casa ainda havia o Pachino e a Mãchina.
    Uma delícia.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma delícia, mesmo, mana Bia.... Obrigada por nos teres contado essas coisas tão tuas. És uma querida.

      Beijinhos.

      Eliminar
  9. Não está mal, no dia a dia é assim que se emprega, pelo menos pelo Norte.

    Iznájar, bela, como toda Andaluzia. Aconteceu como no nosso Algarve, foi donde mais resistiram, até à rendição de Granada.
    Estando por aí está mais perto, mas no interior. Se vais, passa por Antequera e Ronda, que não te arrependerás.
    Boa viagem e feliz Verão.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, amigo Duarte. Dizem que Ronda é muito bonita, mas só conheço de passagem...

      Boas férias também para si. Besitos...

      Eliminar
  10. Já conhecia esta anedota, Graça, mas não conhecia o caso anedótico da cozinheira do Carlos.

    A Lurée na escola também é Luísa.

    No meu caso, há ainda muito boa gente que me chama Teresinha, mas oficialmente chamo-me TERESA.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a mim ainda há quem me chame Gracinha... eh eh eh eh...

      Eliminar
  11. As minhas tias e primas mais velhas, bem como vizinhas do tempo da minha mãe, ainda hoje me chamam Luisinha. :) Foi o hábito de quando eu era criança. A coisa gruda. :))

    ResponderEliminar
  12. "Inhos" só de vez em quando e por ternura momentânea, uso muitas vezes, onde embirro é com Maezinha, avozinha, maninho....:)))).
    Adorei a a anedota e a do touço é mesmo engraçada por não ser anedota.
    bjs

    ResponderEliminar
  13. Já conhecia , mas é sempre bom rir...


    Tive uma colega chamada Josézinha e outra Guida.

    Nomes existem que nem sequer se prestam a diminutivos, como é o caso do do meu filho.

    Boa semana e felizes férias, linda . Beijinhossss

    ResponderEliminar
  14. Esta cidade está mais perto de Málaga, um dos teus destinos deste verão.
    Aproveita e faz-lhe uma visita.
    Por isso os fotografei, porque são uma obra de arte, ademais combinam com a arquitectura.
    O meu muito obrigado, sim, eu sou quem agradece as tuas percepções.
    Abraços de vida

    ResponderEliminar